Ministério Público e Defensoria Pública recomendam cumprimento do Decreto Estadual pela Prefeitura de Itacoatiara

0
622
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

001 5

O Ministério Público do Amazonas (MPAM) e a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE) expediram Recomendação conjunta, na manhã desta quinta-feira (24/12), para que a Prefeitura Municipal de Itacoatiara adote todas as medidas administrativas para dar fiel cumprimento ao Decreto n.43.234, de 23 de dezembro de 2020 adota novas medidas de enfrentamento à pandemia da COVID-19, com suspensão no período de 26.12.2020 a 10.01.2021, do funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e serviços não essenciais e destinados à recreação. As medidas do decreto foram anunciadas pelo Governo do Estado na manhã de ontem (23/12), na reunião do Comitê de Enfrentamento da Covid-19.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

002 1

Na Recomendação, assinada por todos os Promotores de Justiça e Defensores Públicos que atuam naquela região do rio Amazonas, é ressaltado que a zona geográfica da cidade de Itacoatiara, pela aproximação com a capital, também fundamenta a necessidade de adesão às regras mais restritivas estaduais, uma vez que os enfermos mais graves são transferidos para os hospitais da capital, os quais já se encontram com a ocupação máxima de leitos clínicos e de UTI, entre outros argumentos que fundamentam o documento.

003 1

IMG 20201205 WA0042 1

O MPAM e a DPE também recomenda que o poder público (Prefeitura e Secretaria Municipal de Saúde) abstenha-se de adotar qualquer medida administrativa, a exemplo de redução de quadro funcional, relotação dos profissionais de saúde que trabalham na assistência ao pacientes com Covid-19, falta de disponibilidade de materiais e insumos, que acarretem a desestruturação da rede de saúde pública, e impossibilite dar continuidade ao fluxo do trabalho que a atualmente existe.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

IMG 20201003 WA0177

O descumprimento da Recomendação pode implicar a adoção de medidas administrativas e ações judiciais cabíveis contra o(a) responsável, bem como servir de elemento probatório para possíveis ações cíveis ou criminais.

O prazo para maniestação dos destinatários é de 48 horas. Informações também foram requisitadas, como por exemplo: número de leitos ocupados e disponíveis no hospital da cidade, números de leitos específicos para COVID-19, número de casos suspeitos que foram atendidos, quais foram testados positivos.

Assinaram a Recomendação:

Marcelle Cristine de Figueiredo

Promotora de Justiça

Tânia Maria de Azevedo Feitosa

Promotora de Justiça

Marcelo Augusto Silva de Almeida

Promotor de Justiça

Oswaldo Machado Neto

Defensor Público

Murilo Menezes do Monte

Defensor Público

Vinícius Cepil Coelho

Defensor Público

Bruno Fiorin Hernig

Defensor Público

Danilo Justino Garcia

Defensor Público

00600220201128 200822 01 scaled

Deixe uma resposta